Saber identificar o que motiva seus colaboradores é uma verdadeira alavanca gerencial. Quer saber o porquê? Descubra aqui!

A motivação é um dos tópicos mais discutidos quando se trata de desempenho dos colaboradores. Todos nós temos uma boa ideia do que é motivação, mas pode ser difícil encontrar uma definição completa do termo. 

Caso faça uma pesquisa, você encontrará diferentes explicações, a depender se é uma fonte simples, como um dicionário, ou especializada, como artigos de psicologia. 

Você pode, ainda, se deparar com classificações diferentes para motivação. Isso ocorre, porque os componentes da motivação são multifatoriais e específicos para cada indivíduo. No entanto, existem duas categorias principais de motivação: motivação extrínseca e motivação intrínseca.

Para saber mais sobre esse assunto, você não precisa procurar mais! Aqui você entenderá porque é tão importante saber a definição e a diferença entre esses dois tipos de motivação. Vamos começar?

Como a Teoria da Motivação explica comportamentos?

Segundo a Teoria da Motivação, elaborada em 1975, pelos psicólogos americanos Edward L. Deci e Richard M. Ryan, a motivação pode ser distinguida graças à duas forças que orientam o comportamento e as ações de cada pessoa:

  • A força interna, que orienta o indivíduo a buscar pelo prazer, foi classificada como motivação intrínseca.
  • A força externa, que orienta o indivíduo a reagir a um estímulo exterior, foi classificada como motivação extrínseca.

O que é motivação intrínseca?

A motivação dos colaboradores é um fator-chave para o desempenho de uma empresa. Afinal, saber identificar e atuar nas alavancas de motivação de cada pessoa permite otimizar, significativamente, o gerenciamento dos recursos humanos!

Desde Maslow e sua famosa Pirâmide das Necessidades, o prazer foi identificado como um dos principais fatores motivadores no trabalho. E é precisamente a sensação prazerosa ao realizar algo, o componente essencial da motivação intrínseca.

A motivação intrínseca leva o indivíduo a investir em uma atividade pela satisfação que obtém dela, ao invés do benefício externo que pode alcançar. Impulsionado pela motivação intrínseca, o colaborador atua pelo próprio prazer da tarefa a ser realizada, e não por qualquer reconhecimento ou recompensa – e, muito menos, devido a uma restrição externa (instrução, obrigação, dever, etc.).

 E quanto a Motivação Extrínseca? 

A motivação extrínseca, por sua vez, é baseada principalmente no sistema de recompensa que estimula o colaborador a executar sua função.

Trata-se da alavanca motivacional mais usada no mundo dos negócios. Isso porque está diretamente correlacionada aos benefícios (gratificação, promoção, aumento, dentre outros) resultantes do compromisso e do desempenho do colaborador. Portanto, é o mecanismo mais fácil de ser implementado pela gestão.

Embora os efeitos positivos da motivação extrínseca no curto prazo sejam indiscutíveis, somente este estímulo torna-se insuficiente. Pois, trabalhar sem nenhum outro motivo, além da obtenção de uma recompensa, seja qual for a sua natureza, torna-se rapidamente contraproducente e desanimador, prejudicando tanto o colaborador, quanto a empresa. 

A motivação extrínseca não é, portanto, suficiente por si só, razão pela qual é imprescindível adicionar uma dimensão intrínseca a ela.

Motivação extrínseca ou intrínseca: qual é melhor?

Não seria um sonho se, na sua empresa, os colaboradores estivessem motivados simplesmente pelo prazer de realizar o trabalho? E se eles estivessem fazendo o que fazem pelo interesse inerente ​​em suas tarefas?

Na vida real, é quase impossível tal comportamento existir. Mas, não se preocupe – isso não é ruim! Na verdade, a maioria das pessoas é motivada por uma combinação de fatores intrínsecos e extrínsecos. 

A arte de um bom gestor consiste em saber tomar decisões baseadas nestas duas alavancas motivacionais, de forma a levar os colaboradores a atingirem seus objetivos da maneira mais rentável para si e para a empresa!

Mas, como identificar os fatores motivacionais?

A razão pela qual sempre falamos sobre motivação é seu poderoso impacto no desempenho dos colaboradores. Quanto mais motivadas as pessoas estiverem, melhor será o desempenho no trabalho, certo? Sim e não.

Embora a motivação seja, de fato, um fator importante na equação, existem vários outros elementos que influenciam o desempenho do trabalhador, como personalidade, capacidade cognitiva e inteligência emocional. 

Vale reforçar que todos esses fatores estão inter-relacionados. Então, ao invés de focar em um deles por vez, o melhor é ter uma visão holística dos colaboradores. Cada indivíduo tem suas particularidades, portanto, as motivações também variam de pessoa para pessoa.

Então, qual é a solução?

Conheça seus colaboradores!

Realize uma avaliação comportamental, examine os fatores que os motivam, aprenda sobre seus pontos fortes, avalie seus traços inatos e conheça facetas deles que você não descobriria de outras formas. Em seguida, use essa informação para alcançar e estreitar o relacionamento com essas pessoas. 

Assim, você obterá um nível mais alto de compreensão, que lhe dará maior percepção dos elementos que motivam seus colaboradores – sejam eles majoritariamente intrínsecos, extrínsecos ou até mesmo uma combinação equilibrada dos dois.

*

Pronto! Neste texto você descobriu o que é motivação intrínseca e extrínseca, e a importância de conhecer esses termos para a melhor gestão dos recursos humanos. 

Portanto, agora você sabe que é do interesse da empresa estimular tanto a motivação intrínseca, quanto a extrínseca em seus colaboradores. Procure identificar em cada um deles os fatores destas motivações.

Quando bem executado, essas informações já podem ser detectadas desde o processo de recrutamento e seleção, afinal esta é uma excelente oportunidade de conhecer melhor seus futuros contratados.

Quer garantir que as fases do processo de recrutamento e seleção do RH sejam otimizadas? Então, o ATS da Talentbrand pode te ajudar. Descubra como aqui!

Social

INSTAGRAM

LINKEDIN